Daniel Boaventura em novo CD de Lulli Chiaro

0
474
Na Mídia por Uiara Zagolin lulli chiaro

 

Dueto dos cantores fará parte do álbum “Sala de Estar” que será lançado em breve pela Sony Music

Daniel Boaventura em novo CD de Lulli Chiaro 1
Daniel Boaventura em novo CD de Lulli Chiaro.  O cantor, pianista e compositor LULLI CHIARO confirmou nesta semana a participação especial de Daniel Boaventura em seu novo álbum “Sala de Estar”. A música escolhida para o dueto foi “Ti Amo Così Come Sei”, uma releitura do clássico mundial “Just The Way You Are” de Billy Joel.

“Um prazer dividir a voz nesta canção com este talentosíssimo amigo. Este projeto é fruto de quase um ano de produção e com certeza guarda e retrata o que tenho de melhor a oferecer aos meus fãs”, afirmou Lulli.

O álbum intitulado “Sala de Estar” terá 12 faixas, sendo 8 músicas inéditas autorais e 4 versões de sucessos para o italiano. Além de Daniel Boaventura, este trabalho conta com as participações de Ivan Lins, o Tenor Marcello Vannucci, a Orquestra Filarmônicade São Petersburgo  e mais dois convidados a serem anunciados em breve.

Cheio de romantismo Lulli promete aquecer os corações apaixonados com este novo álbum!

BIOGRAFIA

Nascido em uma família de artistas, já se fazia notar a sua natural vocação para a música.

Aos 7 anos de idade e sem jamais ter estudado, surpreendeu a todos ao tocar no acordeão de um certo vizinho, a canção preferida de sua mãe. Este vizinho desde então, tornou-se um seu querido incentivador. Seu nome… Adoniram Barbosa.

Aos 16 anos de idade compôs uma marchinha, Jardim de Infância, que foi gravada por Ronnie Von e ocupou os primeiros lugares nas paradas de sucesso da época. Colhendo os frutos de sua veia autoral, recebeu convites e gravou pela RCA VICTOR, RGE e WARNER CONTINENTAL.

Mas como diferente não haveria de ser, a sua ainda tenra carreira prometia duras penas. Vieram as dúvidas, os desafios e o velho dilema… ser ou não ser. Não poucas vezes, pensou em desistir e jogar vez por todas, seus planos e sonhos para o alto. Determinado e confiante porém, seguiu em frente os longos e imprevisíveis caminhos daquele mundo novo.

E se já não fossem tantas as pedras do caminho, tempos depois e por razões alheias a sua vontade, Lulli precisou abandonar a carreira musical. Seu Pai escritor e igualmente um combativo ativista político, veio a sofrer seguidas perseguições que o impediram de melhor prover as necessidades do lar. Sem outra alternativa e resignado, arregaçou as mangas, juntou-se aos irmãos e partiu em busca do pão nosso de cada dia. Afastado do mundo musical, dedicou-se paralelamente aos estudos, formando-se em Direito, Administração e Marketing.

Mas como o bom filho à casa sempre torna, em meio a juras de amor eterno, Lulli finalmente se reencontrou com a sua inesquecível amiga e companheira…a música. Foi convidado e participou como vocalista de um grupo musical, formado por Albino Infantozzi, Celso Pixinga, Danillo Galvão, Luís Lopes e Don Beto.

Como que tentando recuperar o tempo perdido e buscando uma melhor conjugação para as suas atividades de cantor, compositor e produtor, Lulli montou um pequeno Studio, Uniarts. Lá, produziu diversos trabalhos para outros artistas e compôs muitas…e novas…e belas canções. Ainda na Uniarts e em companhia de seu parceiro Giggio, recebeu o honroso convite para arranjar e produzir a obra Amistad, de autoria do Maestro João Carlos Martins, reconhecido internacionalmente como o maior intérprete de Johan Sebastian Bach.

E os dias, os meses, os anos se passaram…mas havia ainda um vazio, faltava ainda um pedaço.
Uma noite então, voltando para casa depois de uma gravação, Lulli ouviu no rádio a releitura de um antigo sucesso italiano. Freou repentinamente o carro e deixou-se levar pelo sentimento ainda vivo daquela linda canção. Ah…a bella, vecchia e incredibile Itália. Itália de perfumes e cores, Itália de alegrias e sabores, Itália de eternos e inesquecíveis amores.

E foi assim, ao lado de seu inseparável parceiro Giggio e das queridas poetisas Valéria Mindel e Carla Vercesi, que Lulli compôs, arranjou e produziu, o mais belo de seus trabalhos. Um álbum contendo 12 músicas inéditas em italiano.
Não restou então, nenhuma sombra sequer…o pedaço que estava faltando, era o romantismo sentido e envolvente…era o amor profundo e ardente.

Este álbum, recebeu tamanho tratamento e esmero, que demandou 5 longos meses para a sua finalização. A busca da almejada distinção, Lulli e Giggio não pouparam esforços e coragens…inspirações e transpirações. Se atentaram com extremado zelo, carinho e rigor, a cada frase, a cada movimento, a cada expressão contida neste trabalho.
Participaram ainda desta obra, reconhecidos músicos do país que a engrandeceram sobre maneira com os seus raros e sentidos talentos.

Após a noite de audição deste álbum, colhemos algumas das tantas entusiastas opiniões:
“Sentido”, “Esmerado”, “Envolvente”, “Uma inesquecível viagem” “O vazio que havia, foi finalmente preenchido”

“Os ouvidos e o coração, agradecem” “A verdadeira música, ainda é capaz em nos fazer felizes”

 

 

 

 

 

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here